O que você fez hoje? Estamos na primeira semana de um novo ano e como é de praxe nessa época nos preocupamos com metas e expectativas para o desenrolar dos 365 dias que completarão mais um ano da história de cada pessoa. O ser humano é feito disso: pedaços de desejos variados para momentos variados de sua vida. Para alguns o desejo de hoje pode ser uma televisão nova, uma promoção no serviço ou uma viagem. Para outros o desejo é casar ou ter um filho. Existem desejos de todos os tamanhos e naturezas. Isso, é claro, significa que damos atenção diferente para cada um deles, algo que de modo geral é totalmente compreensível. O desejo de tomar um sorvete hoje não é comparável ao desejo de conhecer Paris.

Só que ao mesmo tempo, quando nos esquecemos do prazer que um pequeno sorvete pode nos dar, corremos o risco de jogar todas as expectativas da felicidade sobre coisas grandes demais para acontecerem o tempo todo ou vezes o suficiente para considerarmos que temos dias felizes. Metas são importantes, pois são pontos que dividem a nossa realidade entre um momento e outro do que esperamos para nossas vidas. Mas, quando vivemos apenas para as grandes transformações a maior parte de nossos dias serão frustrados. É importante fazer de um sorvete também um momento que valha a pena.

Para mim, o ano simplesmente voou, mas ainda assim foi repleto de pequenas coisas. Domingos no parque. Risadas na cama. Um chope no sábado à noite de papo com os amigos. Pizza em família. Alguns jantares românticos. Noites de seriados juntinhos no sofá.

As grandes metas? Não cheguei a nenhuma delas, mas alcancei outras pequenas e médias que me levam em direção ao que desejo. E isso me fez feliz. Frequentemente tendemos a valorizar apenas os grandes objetivos e normalmente de fundo profissional. Parece que se não conseguirmos uma promoção, um aumento ou uma colocação em uma empresa maior nada foi conquistado para nossas vidas. Só que a vida não se resume a apostas altas. Se focar todas as suas energias em uma única meta, normalmente, quando estiver perto de realizá-la, ao lado da sensação inebriante de uma conquista alcançada, rapidamente você se sentirá sem perspectiva. Afinal o que vem depois?

De alguma forma as pequenas coisas são até mesmo mais importantes do que os grandes projetos que temos para vida. Um filho, por exemplo, não é só um filho. É um sorriso, o primeiro passo, a primeira palavra, o medo de entrar na escola. E mais um conjunto infinito de coisas que circundam a realidade de se ter uma criança. Na vida profissional, se uma colocação de chefia for sempre mais importante que uma boa conversa descontraída com os amigos, o que exatamente está se construindo para o futuro?

Eu sei que é mais fácil falar do que agir. Que problemas financeiros pesam, e muito, no nosso humor e na nossa perspectiva de um futuro melhor. Mas às vezes é bom lembrar que os pequenos momentos também são grandes.

E então, o que você fez hoje?

Imagem: Desconheço o autor, se souber favor informar para os devidos créditos.
Sou historiadora e literata pela Unicamp. Criei esse blog pela necessidade de falar sobre negritude e feminismo duas coisas que para mim significam identidade. Mas como todas pessoas são diversas, você pode encontrar outros textos aqui sobre literatura, cinema, seriados! ;)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *